Subscreva a nossa Newsletter
Pesquisar
home > Manuais de Gestão > Planeamento e estratégia

Vantagens e desvantagens da gestão de empresas familiares

Índice

Introdução
O que é uma empresa familiar
As vantagens
As desvantagens
Quadro-resumo


Introdução

O tema da gestão de empresas familiares tem originado grande polémica entre os seus defensores, que a consideram o tipo de organização ideal, e os seus detractores, que as acusam de serem um modelo obsoleto. Os primeiros argumentam que as empresas familiares são a coluna vertebral económica das nações e são o terreno ideal para o nascimento de novos empresários. Os segundos defendem que elas são mais propensas à emergência de conflitos laborais e às crises (nomeadamente quando é necessário resolver o problema da sucessão do fundador). Vejamos em que consistem e quais os principais argumentos favoráveis e desfavoráveis.


O que é uma empresa familiar

Existem, pelo menos, quatro grandes categorias de empresas familiares. São elas: É internacionalmente aceite que o conceito de uma empresa familiar congrega três grandes vertentes:


As vantagens

Poucas organizações conseguem garantir tanta unidade, lealdade e dedicação dos gestores de topo quanto as empresas familiares. São duas forças fundamentais em que elas terão que se apoiar e que apresentam as seguintes vantagens:


As desvantagens

São muitas as causas que explicam a elevada mortalidade das empresas familiares, muitas delas comuns às empresas não familiares, tais como as crises económicas e as mudanças no meio envolvente e no perfil dos clientes. Porém, há riscos específicos para a gestão das empresas familiares. Eis os mais comuns:


Quadro-resumo

10 Pontos fortes 10 Pontos fracos
  • Interesses comuns
  • Autoridade reconhecida e inquestionada
  • Confiança mútua entre proprietários e gestores
  • Comunicação aberta e informal
  • Dedicação e envolvimento pessoal
  • Flexibilidade de processos e decisões
  • Entrega a um ideal comum
  • Sacrifício pessoal
  • Altos patamares de exigência
  • Pensamento a longo prazo
  • Interesses em conflito
  • Existência de várias facções em disputa
  • Receio quanto a uma possível alienação da empresa a novos proprietários
  • Proliferação de rumores e boatos
  • Ódio pessoal às chefias
  • Grande resistência à mudança
  • Negação da entrega a um ideal
  • Cobrança de sacrifícios anteriores
  • Empresa é um refúgio de inúteis
  • O «hoje» é o importante

Adaptado de Gallo, Miguel Angel; Ribeiro, Vitor Sevilhano; A Gestão das Empresas Familiares; 1996; Iberconsult.

Bibliografia

Autor: Portal Executivo