Subscreva a nossa Newsletter
Pesquisar
home > Manuais de Gestão > Logística

Como implementar um programa de certificação

Índice

Introdução
Passo 1 - Tomada da decisão de certificar a empresa
Passo 2 - Identificação das necessidades e expectativas dos clientes
Passo 3 - Definição da política e objectivos da qualidade
Passo 4 - Transmissão da mensagem no seio da empresa
Passo 5 - Análise dos processos existentes na empresa
Passo 6 - Estabelecimento do novo modelo
Passo 7 - Implementação das actividades necessárias
Passo 8 - Auditoria interna
Passo 9 - Selecção da empresa certificadora
Passo 10 - Processo de candidatura
Passo 11 - Auditoria por parte da entidade certificadora
Passo 12 - Evolução e melhoria do sistema da qualidade iniciado

Introdução

Voltar ao topo

Actualmente, a certificação da qualidade deixou de ser uma marca distintiva capaz de dar uma grande notoriedade as PME portuguesas, mas não deixou de ser importante. Antes pelo contrário. De facto, hoje ser uma empresa certificada pela norma ISO 9000 e já uma obrigatoriedade para a maioria das empresas. Pelo menos para todas aquelas que exportam os seus produtos. São cada vez mais os clientes estrangeiros que exigem uma certificação deste tipo para iniciar as negociações. De ponto de chegada a um patamar de excelência, a certificação passou a ser um mero ponto de partida para ter simplesmente o direito de ser olhado pelos clientes além-fronteiras.

Passo 1 - Tomada da decisão de certificar a empresa

Voltar ao topo

Uma vez decidido que a empresa pretende obter uma certificação de qualidade, é necessário começar a preparar imediatamente a organização para esta tarefa longa e frequentemente difícil. Esta preparação inicial divide-se em várias partes:

Passo 2 - Identificação das necessidades e expectativas dos clientes

Voltar ao topo

Em termos simplistas, uma empresa certificada é aquela que é capaz de satisfazer os seus clientes, seja os actuais seja os futuros, tendo capacidade para alterar os seus produtos e serviços para fazer face às exigências dos clientes, superando as suas expectativas. É portanto necessário conduzir entrevistas com os principais clientes, perceber o que é que eles acham do que lhes é vendido e estreitar as relações com eles para que funcionem mais como parceiros do que como compradores, no final do processo. As suas opiniões são importantes e é preciso ouvi-los.

Passo 3 - Definição da política e objectivos da qualidade

Voltar ao topo

A Norma NP EN ISO 9001:2000 define oito princípios de gestão de qualidade que devem ser adoptados pela gestão de topo das empresas que pretendem a certificação. Estas são as linhas orientadoras. Cada empresa, nesta fase, deve ver como as pode adaptar à sua organização, analisando as transformações necessárias para as colocar em prática.

Passo 4 - Transmissão da mensagem no seio da empresa

Voltar ao topo

Este ponto é fundamental. Uma transformação deste tipo só se pode fazer se houver um real envolvimento por parte de todas as pessoas ligadas ao projecto, ou seja todos os colaboradores da empresa, desde o porteiro até ao responsável máximo. Esta transmissão passa por acções de formação a todo o pessoal da organização para conseguir o seu envolvimento e empenho nesta missão. Esta formação deverá ser feita por etapas. Primeiro a gestão de topo que, por sua vez, a transmitirá aos seus subordinados, em cascata, sempre sob a supervisão do responsável pela qualidade da empresa.

Passo 5 - Análise dos processos existentes na empresa

Voltar ao topo

Antes de poder modificar qualquer coisa, é necessário fazer um levantamento exaustivo de todos os processos utilizados na organização. É necessário, nomeadamente, saber como evolui o fluxo de informações na empresa assim como a forma como são tomadas as decisões, rotineiras, operacionais ou estratégicas. Obtêm-se assim uma cartografia dos múltiplos processos de produção, de transmissão da informação e de tomada de decisão que são utilizados na empresa no seu dia a dia. A recolha de documentação para este efeito representa uma grande parte do trabalho nesta fase do processo.

Passo 6 - Estabelecimento do novo modelo

Voltar ao topo

É aqui que se decide como vai funcionar a empresa no futuro, de modo a que tenha implantada uma verdadeira gestão da qualidade. Um dos pontos essenciais desta definição é a sistematização de todos os processos de modo a que estes não sejam propriedade de uma pessoa mas sim de toda a organização. Assim, se por alguma razão, a pessoa responsável por uma das funções, por exemplo o aprovisionamento, falhar ou estiver ausente, haverá um conjunto de regras rigorosas permitindo a outra pessoa tomar o seu lugar sem que a qualidade se veja afectada. O documento mais importante produzido durante esta fase é o Manual da Qualidade da empresa, documento onde são explicados todos os procedimentos que a empresa segue de modo a ter uma gestão verdadeiramente centrada na qualidade.

Passo 7 - Implementação das actividades necessárias

Voltar ao topo

Uma vez que as alterações a fazer estão definidas e aprovadas pela direcção de topo, é necessário pô-las em prática. Frequentemente este é o passo mais demorado porque, entre outras coisas, é necessário vencer uma certa resistência à mudança por parte de pessoas e departamentos no seio da empresa. Mais uma vez, aqui, é necessária a intervenção permanente do responsável pela qualidade, no sentido de explicar o que se pretende e sobretudo as razões da mudança e como esta vai melhorar o trabalho de cada colaborador. Esta é a forma de para motivar todos os envolvidos em cada um dos níveis da empresa.

Obviamente aqui as acções a tomar dependerão de muitos factores e não é possível estabelecer uma lista pormenorizada de tudo o que há a fazer. As acções dependerão essencialmente:

Passo 8 - Auditoria interna

Voltar ao topo

Depois do sistema estar a funcionar há algum tempo, muito variável em função da empresa, é útil efectuar uma auditoria interna para ver se o sistema de gestão da qualidade está, de facto, a funcionar bem. Nesta fase, é normal encontrar ainda defeitos nos processos e será preciso rever algumas das decisões anteriormente tomadas de modo a melhorar o sistema de qualidade estabelecido. O processo volta então de novo atrás de modo a que sejam redesenhados os procedimentos, se for caso disso, e seja dada nova formação a todos os colaboradores da empresa visados pelas alterações. Não vale a pena avançar para a certificação sem várias auditorias internas bem sucedidas; Caso contrário a empresa só estará a perder tempo e dinheiro.

Passo 9 - Selecção da empresa certificadora

Voltar ao topo

São cerca de uma dezena as entidades certificadoras em Portugal, neste momento. Os factores que devem ajudar a decisão de escolha são vários:

Passo 10 - Processo de candidatura

Voltar ao topo

A empresa deverá fornecer à empresa certificadora uma série de documentos, a saber: É também nesta fase que se verifica o pagamento da instrução do processo, na ordem dos 200 contos.

Passo 11 - Auditoria por parte da entidade certificadora

Voltar ao topo

Trata-se de uma auditoria aprofundada a todos os níveis da empresa, mas que não costuma demorar mais de três dias. No final, dá-se uma de duas situações:

Passo 12 - Evolução e melhoria do sistema da qualidade iniciado

Voltar ao topo

Um processo de certificação culmina com a obtenção do certificado, válido por 3 anos, mas o processo da qualidade não termina nunca. A qualidade é um trabalho permanentemente inacabado e é um erro pensar que a empresa pode descansar no dia em que obtém finalmente o almejado diploma. Gerir a qualidade e efectuar melhorias contínuas e uma obrigação. Até porque uma certificação não é eterna. Anualmente é feita uma auditoria de acompanhamento. No final do terceiro ano, a empresa certificadora faz uma auditoria de renovação, mais aprofundada para ver se a empresa continua a respeitar as cláusulas e se tem melhorado.

Bibliografia Referências

Autor: PME Negócios