Subscreva a nossa Newsletter
Pesquisar
home > Manuais de Gestão > Informática e Telecomunicações

Como colocar a página da sua empresa na Internet

Índice

Introdução
Passo 1 - Determine o tipo de presença a estabelecer online
Passo 2 - Elabore um plano de implementação do seu e-business
Passo 3 - Escolha as técnicas de vendas que melhor se adaptam aos produtos que comercializa
Passo 4 - Informe-se sobre as soluções disponíveis para resolver os aspectos financeiros
Passo 5 - Decida se deve comprar, alugar ou construir o site

Introdução

Apesar do mau momento que atravessam as empresas dotcom, existem ainda várias boas razões para realizar negócios através da Web, mesmo para as pequenas e médias empresas. Ao realizar transacções através da Internet, as companhias que criam o seu site esperam conquistar uma maior quota de mercado, obter mais reacções por parte dos consumidores, mais flexibilidade e redução de custos.

  Outro benefício que o e-business acarreta é a oportunidade de travar relações mais próximas com os clientes e os fornecedores. Os hiperlinks podem acrescentar um valor substancial a essas relações, facilitando a comunicação fácil, rápida e eficaz entre as partes envolvidas. Mas, naturalmente as vantagens de estar online não são iguais para todos os tipos de empresas, sendo necessário avaliar os benefícios e custos antes de avançar.

 

Passo 1 - Determine o tipo de presença a estabelecer online

Primeiro que tudo, há que definir o que é que a empresa pretende ao criar um Web site. Para tal, é necessário definir qual a estratégia mais indicada para concretizar esse objectivo. Dependendo do perfil, da dimensão e do sector de actividade da companhia, existem três grandes tipos de sites:

 

Passo 2 - Elabore um plano de implementação do seu e-business

1- Seleccione o nome de domínio do site - este nome pode ser o mesmo da sua empresa. Mas, de qualquer modo, convém que o nome seja curto, descritivo, único e facilmente memorizável.

  2- Escolha o software mais indicado - o mais provável é que necessite de software específico para o ajudar a gerir os seus produtos, as promoções, os clientes e as encomendas. Poderá ainda precisar de programas adicionais para tratar dos impostos, das despesas de envio e do processamento dos pagamentos das encomendas.

  Os últimos anos foram marcados pela evolução de um número de soluções "prontas a usar" que disponibilizam essas funcionalidades essenciais e permitem estabelecer a ligação com outros módulos de software de forma a lidar com as complexidades da tributação, as variedades de opções de envio e muitas das formas de pagamento mais conhecidas. Cada opção contém diferentes vantagens e inconvenientes.

  Soluções como o Yahoo Stores fornecem montras de lojas online que estão prontas a funcionar. Basta escolher um design e colocar os seus produtos para começar a fazer negócios na Web. Outras aplicações, como o Intershop, permitem alterar os templates-padrão que vêm em pacotes de software de modo a que se possa personalizar a forma como a sua loja irá parecer. Estas soluções também possibilitam alargar as funcionalidades e comportamentos-padrão contidos nos templates.

  Em alternativa, existem ainda soluções que actuam mais como plataformas de aplicações de e-commerce. Neste grupo, incluem-se a Site Server Enterprise da Microsoft que se baseia na tecnologia Active Server Page da gigante de software; o ColdFusion da Macromedia e a sua linguagem CFML - ColdFusion Markup Language -; a WebSphere da IBM; e plataformas de topo de gama com um custo mais elevado como a Broadvision, Blue Martini e Commerce One. Muitas destas soluções baseiam-se em software de comércio electrónico da CyberCash ou da OpenMarket para o processamento dos pagamento, bem como o software da Taxware para cálculo de tarifas e da ConnectShip para informação actualizada sobre o processo de envio.

3- Estabeleça uma lista de requisitos - Antes de escolher uma plataforma de e-commerce, deve decidir que tipo de experiência quer oferecer aos seus clientes online. Para isso, deve também tentar prever onde é que a sua empresa estará dentro de um, dois, cinco e dez anos. Se estabelecer correctamente a solução agora, quando a sua companhia crescer e expandir-se, poderá acrescentar itens à base inicial, sem colocar em causa os esforços anteriores.

Por outro lado, pode optar hoje pela solução mais rápida, como muitas empresas fazem. Esta estratégia pode fazer com que chegue mais rapidamente ao mercado e com um custo menor, mas irá custar muito mais a longo prazo, uma vez que terá que reconstruir tudo a partir da base quando o site crescer. De qualquer das formas, precisa igualmente de um plano.

Quando começar a construir o seu plano, a primeira tarefa a realizar é criar uma lista de requisitos. Para a sua elaboração, convém envolver todos os departamentos da organização, de forma a receber as sugestões de todos logo no início e não no final, quando já é tarde demais, A informação que precisa de recolher pode ser concebida em forma de um círculo que representa o ciclo completo de vendas e marketing da empresa.

Passo 3 - Escolha as técnicas de vendas que melhor se adaptam aos produtos que comercializa

Existem muitas maneiras diferentes de vender o produto comercializado pela sua empresa na Web, mas grande parte das técnicas tendem a enquadrar-se numa das seguintes categorias:

 

Passo 4 - Informe-se sobre as soluções disponíveis para resolver os aspectos financeiros

Antes de aceitar as primeiras encomendas do site, a empresa terá que calcular os impostos a ser cobrados, determinar as despesas de envio e processar de uma forma segura os métodos preferidos de pagamento dos clientes:

Todos têm vantagens e desvantagens, e costumam ser periodicamente actualizados. É necessário então investigar qual é a opção que se enquadra melhor no seu e-business. Visite os seus sites na Web para ficar a conhecer as funcionalidades que oferecem e os sistemas de comércio electrónico com que são compatíveis. Verifique se os clientes deste tipo de software oferecem produtos ou serviços semelhantes aos da sua empresa. Pode até enviar um email aos funcionários das empresas que utilizam essas soluções para averiguar quão satisfeitos estão com os produtos.   Muitos comerciantes online adoptaram as práticas da indústria dos catálogos postais, ao cobrarem montantes fixos para o envio dos produtos, tendo por base o preço da encomenda e limitando as opções dos clientes na velocidade de entrega para normal, rápido e muito rápido. Existem várias ferramentas e serviços que o ajudam a decidir qual o melhor método a empregar:   Convém também ter em conta que os custos de envio variam com o peso da encomenda. Se a sua empresa vende mais que um produto, terá que encontrar uma forma para disponibilizar informação sobre o peso de cada produto para qualquer solução de envio que os clientes escolherem. Há que então assegurar que a base de dados de produtos da companhia tenha um espaço para guardar o valor do peso.     Para garantir que tudo dê certo, existem alguns aspectos a considerar. O primeiro é que a empresa não deve debitar o pagamento da encomenda antes de os produtos serem enviados ou entregues aos clientes. Tecnicamente, não lhe é permitido a mover imediatamente o dinheiro directamente para a conta da empresa a menos que o produto seja entregue ou enviado no mesmo dia. Nas lojas físicas a entrega e o pagamento acontecem simultaneamente. Grande parte das transacções com cartões de crédito realizadas através da Internet funcionam da seguinte forma:   Para implementar este tipo de tecnologia de encriptação, a empresa poderá implementar a SSL no seu servidor Web. Mas mesmo que seja integrada no servidor, esta aplicação apenas funcionará com outros browsers compatíveis. Actualmente, contudo, a maior parte dos browsers suportam SSL. Para que esta tecnologia funcione, a empresa terá que arranjar um certificado digital emitido por uma entidade independente e de confiança que possa confirmar a identidade da companhia. O certificado funciona assim como uma espécie de passaporte ou carta de condução. É uma forma de verificação da identidade, permitindo que alguém credenciado comprove que o comerciante é de facto quem afirma ser. Pode-se adquirir um certificado deste tipo a empresas como a Verisign, Certipor e GlobalSign.  

Passo 5 - Decida se deve comprar, alugar ou construir o site

Quando se pretende avançar para a verdadeira implementação do site, existem três soluções possíveis:

Esta abordagem irá oferecer-lhe um conjunto padronizado de funcionalidades de comércio electrónico juntamente com algumas regras de negócio incorporadas como um bónus. Se a sua empresa precisar de algo que se assemelhe ao que o pacote oferece, não hesite em adquiri-lo, pois irá fazer com que poupe dinheiro e tempo. Se algumas das funcionalidades que considera mais importantes não integrarem o sistema, poderá pensar duas vezes. A solução pode ser uma boa escolha para agora, mas irá tornar-se provavelmente obsoleta, à medida que se for precisando de mais funcionalidades.   Terá também que contar em gastar mais dinheiro se desejar incluir pagamentos automáticos, cálculo de impostos e despesas de envio. Irá precisar de comprar produtos adicionais e efectuar a sua instalação, configuração e integrá-los com o restante software. É bastante fácil, contudo, instalar plug-ins na maior parte destes sistemas. Estas soluções são, na maior parte das vezes, baratas e incluem muitas funcionalidades comuns. Para além disso, são rápidas, uma vez que toda a loja é administrada através da Web. Não precisa de instalar qualquer software; basta escolher um design, configurar algumas opções e introduzir a informação dos produtos comercializados pela empresa. O inconveniente destes serviços é que podem não suportar as funcionalidades ou terem um aspecto diferente do que se pretende. Esta abordagem oferece a solução exacta de que a empresa necessita, mas requer conhecimentos técnicos, tempo e um orçamento razoável. A vantagem está em que se pode conceber as funcionalidades e características de que se precisa para que o site seja único e competitivo dentro do mercado em que se enquadra. Existem várias aplicações que o pode ajudar a obter essas funcionalidades, mas pode criar um programa de comércio em quase qualquer linguagem de programação.   Muitos dos primeiros sites empresariais da Web foram criados com Perl, PHP ou C++. Mais recentemente, tem-se vindo a realizar muitos sites com os ambientes de programação Active Server Pages da Microsoft ou ColdFusion da Macromedia. Se enveredar por esta opção, terá que criar as bases de dados e integrar em seguida na aplicação principal módulos de software relativos aos impostos, às despesas de envio e ao processamento dos pagamentos     Glossário   Referências

Autor: Miguel Caetano / Casa dos Bits